Projeto coordenado pelo prof. Marcio Tavares d'Amaral e vinculado ao IDEA - Programa de Estudos Avançados/ECO-UFRJ

Os Assassinos do Sol: uma história dos paradigmas filosóficos (Os modernos)

Quarto da série de oito livros baseados nas aulas do Curso Comunicação e História do Pensamento, oferecido pelo prof. Marcio Tavares d´Amaral na Pós-ECO/UFRJ desde 2002, e nas propostas do Projeto História Filosofia Religião: Interfaces, sob sua coordenação. O Volume 4 - Os modernos (ao lado) foi editado e publicado em 2019 pela Editora UFRJ.

Resumo da obra Os Assassinos do Sol (Volume 4 - Os modernos)

Nesse volume o leitor vai acompanhar uma enorme transformação das relações entre fé e razão, em que a grande virada paradigmática é a separação entre razão e religião, filosofia e teologia. Nele, Marcio Tavares d’Amaral mostra que ao longo dos três séculos do Renascimento Deus deixará de ser objeto de conhecimento. A atenção às suas criaturas – o Homem e a Natureza – produzirá o humanismo e o naturalismo renascentistas e conduzirá à filosofia e à ciência modernas a partir do século XVII.

Resumo da série Os Assassinos do Sol

"Os Assassinos do Sol é o título geral de uma história particular dos paradigmas filosóficos ocidentais. O título é uma metáfora para o Ocidente, terra onde o sol se põe (Abendland). É uma metáfora, mas espero que possa dar conta do momento tortuoso em que vivemos, em que se diz que a História acabou. A obra completa não será uma história da filosofia nos moldes tradicionais, destacando autores e escolas em ordem cronológica, mas traçará os momentos de constituição e surgimento de ideias demarcadoras do pensamento na civilização ocidental, que vão desde o século VI a.C até os dias de hoje (não precisamente nessa ordem). Cada volume virá com o período correspondente abaixo do título geral, a saber: Patrística, Gregos, Escolástica, Renascimento, Kant, Hegel, Kierkegaard e Schopenhauer, e Nietzsche" (Marcio Tavares d´Amaral, 2015).

Entrevista com Marcio Tavares d´Amaral sobre Os Assassinos do Sol, nO Globo, aqui.